Rasputin o bruxo de Pokrovskoye

MATÉRIA  17/03   quarta-FEIRA  - MATÉRIA 028 / DE: FRANCINE SANTOS

Grigoriy Yefimovich Rasputin é um dos personagens da história explorado na saga Algoritmos Sagrados. Seu nome é mencionado pela primeira vez no livro Máscaras Reveladas, posteriormente, parte de sua vida é revelada em Símbolo Oculto. Mas é no livro Sombras Noturnas que seu corpo ganha forma, nas terras geladas da Russia.

Grigoriy Yefimovich Rasputin foi um ortodoxo russo cristão e místico que, através de sua íntima ligação com os Czares, influenciou os últimos dias do imperador russo Nicolau II, sua esposa Alexandra, e seu único filho Alexei. 

Opiniões bipolares são dispostas em diversos textos: nas grandes cidades ele era o devasso, enquanto em sua terra natal e zonas religiosas ele é reverenciado como um homem justo pelo clero. 

SUA VIDA
Rasputin nasceu um camponês na pequena aldeia de Pokrovskoye, ao longo do rio Tura na Tobolsk guberniya (agora Tyumen Oblast) na Sibéria. A data de seu nascimento é duvidosa mas estima-se em algum momento entre 1863 e 1873. Recentemente, novos documentos vieram à tona revelando a data de nascimento como 10 de janeiro de 1869 OS (equivalente a 22 de janeiro de 1869 NS).
O pouco que se sabe sobre sua infância foi provavelmente transmitida por seus familiares. Ele possuía dois irmãos conhecidos, uma irmã chamada Maria e um irmão mais velho chamado Dmitri. Sua irmã Maria era epiléptica e morreu afogada no Tura, o que se tornou um choque para ele. Após sua recuperação outro acidente. Rasputin brincava com seu irmão Dmitri quando este caiu no gelo. Rasputin saltou para salvá-lo, mas acabou caindo e afundando nas águas geladas. Ambos foram puxados para fora por um transeunte. Rasputin sobreviveu milagrosamente, mas Dmitri morreu devido ao choque. Ambas as mortes afetaram Rasputin e ele posteriormente nomeou dois de seus filhos: Maria e Dmitri. 
Os mitos que cercam Rasputin revelam indícios de poderes sobrenaturais que são catalogados em datas posteriores após os incidentes. Um exemplo desses poderes foi quando Efim Rasputin, o pai de Grigoriy Rasputin, teve um de seus cavalos roubados. O jovem Rasputin foi capaz de identificar o homem que havia cometido o roubo e, posteriormente, ele foi preso. Com dezoito anos de idade, Rasputin passou três meses no Mosteiro Verkhoturye, os motivos divergem. Alguns dizem que se tratava de uma peregrinação religiosa, outros, penitência por roubo. Sua experiência lá, combinada com uma visão relatada da Virgem Maria em seu retorno para Pokrovskoye ascendeu-o para o lado místico religioso. 
Há alguns relatos que ele entrou em contato com a seita cristã proibida conhecidos como os khlysty (flagelantes) cujas práticas sexuais, terminando em esgotamento físico, levou-o a sua fama como o pervertido insaciável. A relação com Khlysts ameaçou sua reputação que perdurou até sua morte.

Pouco depois de deixar o mosteiro, Rasputin visitou um homem santo chamado Makariy. Makariy vivia em uma cabana robusta e praticava alguns rituais semelhantes a antigas tradições xamânicas e tribais dos povos da Sibéria. Rasputin mencionou que o monge Makariy o havia curado de um distúrbio do sono grave, e treinou-o a praticar o hipnotismo e estilo de vida vegetariano que incluiu um pouco de álcool e também o uso de várias ervas daninhas e drogas para “transformação espiritual” de acordo com antigos rituais xamânicos. 


Posteriormente, Rasputin casou-se com Praskovia Fyodorovna Dubrovina em 1889 e tiveram três filhos: Dmitri, Varvara e Maria. Rasputin também tinha outro filho com outra mulher. 
Em 1901, ele deixou sua casa em Pokrovskoye como um strannik (peregrino) e, durante o tempo de sua jornada, viajou para a Grécia e Jerusalém. Em 1903 ele chegou em São Petersburgo, onde ele gradualmente ganhou sua reputação como um starets (homem sagrado) com poderes curativos e proféticos. Um nomeado sacerdote chamado João de Kronstadt, sacerdote dos Czares, abençoo Rasputin em 1903, este foi o marco para introduzi-lo na Família Imperial.


Rasputin estava vagando como um peregrino na Sibéria quando ouviu relatos da doença de Alexei, filho da Czarina Alexandra. Alexei tinha hemofilia, uma doença genética herdada da britânica Rainha Victoria, que era a bisavó de Alexei. Quando os médicos não podiam fazer mais nada por Alexei. Anna Vyrubova, a dama-de-companhia da Czarina, indicou o carismático camponês curandeiro Rasputin. Isso ocorreu em 1905. Os rumores na época era que Rasputin possuía a capacidade de curar através da oração, e era de fato, capaz de dar ao menino um pouco de alívio, apesar da previsão dos médicos que ele iria morrer. Rasputin respondeu aos apelos da Czarina. Em uma grave crise, Alexei foi curado. Após esse dia, toda vez que o menino tinha uma lesão que lhe causava hemorragia interna ou externa, a czarina convocava Rasputin. Os céticos dizem que ele fez isso por hipnose, afirmando que em alguns estudos existe uma relação direta dos sintomas com os níveis de estresse e, portanto, relações diretas com a sintomatologia da hemofilia. Porém, durante um particularmente grave crise em Spala, na Polónia em

1912, Rasputin enviou um telegrama de sua casa na Sibéria apenas com os dizeres: "Não deixe os médicos incomodá-lo muito; deixe-o descansar". No mesmo dia os sintomas desapareceram. Rasputin ganhou notoriedade, era conhecido pelos Czares como "nosso amigo" e um "homem santo", um sinal da confiança que a família tinha com ele. Rasputin teve uma influência pessoal e política considerável sobre Alexandra. Alexandra passou a acreditar que Deus falou com ela através de Rasputin. 

CONTROVÉRSIA 

Rasputin logo tornou-se uma figura controversa, tornando-se envolvido em um paradigma de luta política envolvendo monarquista, anti-monarquista, revolucionários e outros. Ele foi acusado por muitas pessoas eminentes de vários crimes, que vão desde uma vida sexual irrestrita (incluindo estupro de uma freira) a indevida dominação política sobre a família real. Mesmo sendo um oficial da corte, ele ficou por vigilância constante, e, consequentemente, existem algumas provas credíveis sobre seu estilo de vida na forma do famoso "notas de escada" - relatórios de espiões da polícia que não eram dados apenas para o czar, mas também publicados em jornais.

Rasputin foi profundamente contrário à guerra, tanto do ponto de vista moral como algo que era susceptível de conduzir à catástrofe política. Durante os anos da Primeira Guerra Mundial, aumentaram seus casos de embriaguez, a promiscuidade sexual e a relação corrupta com aliados políticos. 

Na guerra, o Czar Nicolau passou a assumir o comando pessoal do exército russo, com terríveis consequências para si mesmo, bem como para a Rússia. Enquanto ele estava longe, na frente de batalha, a influência de Rasputin sobre Alexandra aumentou. Ele logo se tornou seu confidente e conselheiro pessoal, e também a convenceu a preencher alguns escritórios governamentais com seus próprios candidatos escolhidos a dedo. 


Para promover o avanço do seu poder, Rasputin coabitou com mulheres da classe alta em troca da concessão de favores políticos. Por causa da Primeira Guerra Mundial e os efeitos ossificantes do feudalismo e uma burocracia intromissiva, a economia russa estava em declínio. Muitos na época culparam Alexandra e Rasputin. 
A influência de Rasputin sobre a família real foi usada contra ele. Os Romanov assim como jornalistas, arquitetaram planos para enfraquecer a integridade da dinastia e forçar o czar a desistir de seu poder político absoluto. Houve um rompimento, a elite Russa decidiu provocar e programar um assassinato.
Deve-se mencionar que os documentos encontrados recentemente provaram que as acusações de devassidão sexual de Rasputin eram falsas. 

ASSASSINATO 

Embora seja uma visão predominante de que Rasputin foi assassinado por razões políticas, os detalhes não são claros. Uma tentativa anterior sobre a vida de Rasputin tinha falhado: Rasputin foi visitar sua esposa e filhos em Pokrovskoye, sua cidade natal ao longo do rio Tura na Sibéria. Em 29 de junho de 1914, ele foi atacado repentinamente por Khionia Guseva, uma ex-prostituta que havia se tornado uma discípula do monge Iliodor,. Iliodor, que já era amigo de Rasputin, havia revoltado-se com seu comportamento desrespeitoso com a família real, por isso a encomenda do assassinato. Guseva enfiou uma faca no abdômen de Rasputin, e suas entranhas ficaram penduradas para fora. Foi uma ferida mortal. Convencidos de seu sucesso, Guseva supostamente gritou: “Eu matei o demônio!” Após a cirurgia intensiva, Rasputin recuperou-se milagrosamente. Foi dito de sua sobrevivência só foi possível devido à presença de um espírito que costurou suas entranhas” Sua filha, Maria, observou em suas memórias que ele nunca mais foi o mesmo homem depois disso: ele parecia cansar-se com frequência. Havia dores e ele usava do ópio para aliviar a dor. 


O assassinato de Rasputin tornou-se uma lenda, alguns deles inventados pelos mesmos homens que o mataram, razão pela qual tornou-se difícil de discernir o curso dos acontecimentos. Em 16 de Dezembro de 1916, tendo decidido que a influência de Rasputin sobre a Alexandra ameaça ao império, um grupo de nobres liderada pelo Príncipe Felix Yusupov, o Grão-Duque Dmitri Pavlovich, e o político de direita Vladimir Purishkevich criaram um plano para atrair Rasputin ao palácio  de Yusupovs Moika. 
Anteriormente, em novembro de 1916, o príncipe Yusupov fingiu que tinha dores no peito e obteve uma alta recomendação para se tornar um paciente de Rasputin. O Príncipe Felix Yusupov fez várias visitas a Rasputin como um paciente e logo fez amizade com o bruxo. Não se sabe o motivo, mas Felix Yusupov apresentou-lhe uma imagem de sua esposa, a bela princesa Irene Yusupov, sobrinha do Imperador czar Nicolau II. Rasputin imediatamente expressou seu desejo pela bela dama. Se Rasputin estava realmente interessado em Irene, é uma questão em aberto. Porém o que é sabido é que Felix Yusopov era conhecido por ser uma cômoda cruz, que regularmente divertiram-se pela noite em estabelecimentos de bebidas e restaurantes da moda em São Petersburgo, vestido de mulher. Era quase certo que seus hábitos travestis revelavam uma tendência bissexual. Em 16 de dezembro de 1916, o príncipe Felix Yusopov e seus colegas oficiais haviam programado a isca. Um convite formal foi feito para Rasputin, mulheres e bebidas foram mencionados. Rasputin não negou e foi visitar o príncipe. Logo de cara ele foi recebido com bolos e vinho tinto misturado com uma enorme quantidade de cianeto. Segundo a lenda, Rasputin foi levemente afetado, embora Vasily Maklakov tinha fornecido o veneno suficiente para matar cinco homens. Tem sido sugerido, por outro lado, que Rasputin tinha desenvolvido uma imunidade ao veneno devido à mithridatism (a prática de se proteger contra um veneno por gradualmente auto-administração). 


Os que relatos que se seguem é uma obra de tirar o fôlego (texto de Simbolo Oculto)
Determinado a terminar o trabalho, o príncipe Felix Yusupov correu para cima para consultar os outros e, em seguida, voltou armado. Sem pensar atirou em Rasputin. Mesmo com o sangue derramando-se pelo chão ele ergueu-se gritando o nome de Yussupov. Como um feroz leão, ele partiu de forma ágil para cima do príncipe amofinado. Aterrorizado com Grigoriy que se recusava a morrer, Yussupov correu para a antessala e trancou a porta. Seus comparsas aproximaram-se e escutaram o barulho da madeira arrebentando-se. O místico de Pokrovskoie estava destruindo a porta do palácio na tentativa de escapar. Yussupov e seus comparsas se armaram: três pistolas ao todo. Grigoriy finalmente arrombou a porta e correu para o pátio onde a neve cobria o chão com alguns centímetros. Vendo o místico a poucos metros, todos engatilharam as pistolas. Os tiros foram consecutivos, uma saraivada de balas atingiu o corpo, cinco no total. O fugitivo tombou, mas continuou se arrastando. Os homens correram e passaram a surrá-lo e a esfaqueá-lo, entretanto, o místico continuava sussurrando no chão. Inconformados, eles se entreolharam quando um inglês aproximou-se. Ele sacou sua pistola Webley.455 e disparou contra a testa de Grigoriy com uma única bala de prata. Orientados pelo homem desconhecido, os conspiradores trouxeram correntes e prenderam as pernas e os pulsos do místico. Após ensacar seu corpo, atiraram-no às águas geladas do rio Neva.Uma autópsia determinou que a causa da morte foi afogamento. Verificou-se que ele tinha realmente sido envenenado, e que o veneno por si só deveria ter sido suficiente para matá-lo. Há um relatório que depois que seu corpo foi recuperado, água foi encontrado nos pulmões, apoiando a ideia de que ele ainda estava vivo mesmo naquela condição. O corpo foi enterrado em Puchkin, Tsarkoe Celo, mas seu coração foi guardado na Academia Militar de Medicina, onde em 1930 foi roubado. O túmulo de Rasputin foi venerado por peregrinos, o que não era de bom grado aos comunistas. Assim, o exército vermelho marchou para destruir seu sepulcro. Quando removeram a tampa do caixão tiveram uma surpresa, ele estava vazio. Com medo de criarem um mártir, em sigilo eles levaram um corpo indigente em vagão fechado até a estação de metrô Lesnaya, onde cremaram os restos. 

O relatório oficial de sua autópsia desapareceram durante a era Stalin, assim como vários assistentes de pesquisa que tinham visto ele. Algumas evidências surgiu recentemente que o assassinato foi, de fato, organizado pelo SIS britânico. 

Reações:

0 comentários:

Recent Posts Widget

Trailers


   
+Videos

Escolha o seu volume



Almas Seladas 
Vol 1
Marcelo L. Pontes


Máscaras Reveladas 
Vol 2
Marcelo L. Pontes
 





Símbolo Oculto 
Vol 3
Marcelo L. Pontes

 
Rasputin o bruxo de Pokrovskoye - Algoritmos Sagrados